Início Politica Barroso tira corruptos do indulto de Temer; Patrimônio de Aécio triplica após...

Barroso tira corruptos do indulto de Temer; Patrimônio de Aécio triplica após eleição

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, retirou os criminosos do colarinho branco do indulto publicado pelo presidente Michel Temer em 2017. Para ele, o decreto “dá um passe livre para corruptos em geral”.

O Globo mostra também que o ministro autorizou a libertação de condenados por crimes não violentos. “Barroso exclui corruptos do indulto de Temer”, revela a manchete do matutino carioca.

O Estado de S. Paulo informa que a agricultura brasileira deve apresentar a segunda maior produção de sua história em 2018, com 226 milhões de toneladas produzidas. O número é 4,9% menor do que o volume colhido em 2017, ano em que o setor bateu recorde, mas a receita deverá ser maior.

Segundo o Estadão, três fatores explicam os ganhos no faturamento: a demanda da China por produtos agropecuários, o câmbio que favorece as exportações e os problemas climáticos na Argentina. “Campo deve bater recorde de faturamento no ano”, sublinha o título principal do jornal.

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta segunda-feira (12) que vai abandonar o cargo em abril para concorrer ao governo do Estado. O assunto também é destaque na primeira página do Estadão.

O matutino lembra que Doria ainda terá que ser aprovado na prévia do partido no próximo domingo. Depois de fechar aliança com o PSD, Doria escolheu Gilberto Kassab para ser seu vice na chapa.

A Folha de S. Paulo destaca que o patrimônio do senador Aécio Neves (PSDB) triplicou após as eleições de 2014 e saltou de R$ 2,5 milhões em 2015 para 8 milhões em 2016.

Segundo o jornal, o aumento do patrimônio é resultado da venda de cotas que Aécio tinha numa rádio da qual era sócio há seis anos.

Em 2014, o tucano alegou que suas cotas na emissora valiam R$ 700 mil. No entanto, em 2016, ele declarou ao fisco que elas valiam R$ 6,6 milhões. “Patrimônio de Aécio Neves triplica após a eleição de 2014”, diz a manchete da Folha.

Fonte: G1

COMPARTILHE