Início Santarem Cerca de seis toneladas de peixes do defeso são apreendidas em Santarém...

Cerca de seis toneladas de peixes do defeso são apreendidas em Santarém após denúncias

Uma embarcação que transportava cerca de seis toneladas de mapará e pescada, sendo a que a primeira espécie está em período de defeso, foi apreendida nesta terça-feira (5) no rio Tapajós próxima à vila balneária de Alter do Chão em Santarém, oeste do Pará. Segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que fez a abordagem, o barco é reincidente pela terceira vez e a tripulação já estava realizando a atividade pesqueira há alguns dias.

A apreensão se deu após denúncias de moradores da comunidade Surucuá, onde a pesca ilegal estava ocorrendo, mas a tripulação foi abordada somente em Alter do Chão. “A embarcação estava puxando 15 bajaras, ou seja, havia pelo menos 15 pescadores fora a tripulação, o que dá aproximadamente 18 pessoas envolvidas”, relatou o agente de fiscalização do ICMBio, Elder Costa de Oliveira.

Ainda segundo o órgão, a pesca era feita por “arrastão”, o que é proibido por lei, e o pescado seria vendido nas feiras e mercados.

Por volta de 19h a embarcação apreendida aportou em Santarém, no bairro Prainha. No local havia ao menos 15 carros de quatro instituições do município: Creche Seara, Caps AD, Semtras e Fasepa, que receberam doações de peixe. A cada retirada da geleira o peixe era pesado.

“É sempre bem vinda doações desse tipo, porque há essa necessidade na instituição. Temos um freezer para garantir a qualidade do peixe e temos a nutricionista que dará o seguimento à alimentação das crianças por pelo menos uma semana”, contou o representante da Creche Seara, Wilmar Teixeira.

Os tripulantes foram enquadrados no artigo 35 da Lei de crimes ambientais Nº 9.605, pois estavam realizando a atividade pesqueira em período de defeso. A embarcação não tinha o registro geral de pesca e foi apreendida, e o ICMBio vai verificar quem será o depositário da mesma. A multa aplicada ao responsável pela pesca varia de R$ 700 a R$ 100 mil, adicionados R$ 20 por quilo apreendido.

Fonte:G1
(Foto: Geovane Brito/G1

COMPARTILHE